Publicidade

Últimas Notícias
recent

FATAL: EUA admitem autoria do ataque contra Médicos Sem Fronteiras no Afeganistão


Sede de hospital dos Médicos Sem Fronteiras em Kunduz, Afeganistão, destruído após ataque aéreo dos EUA (Foto: Médecins Sans Frontières via AP)


O general do Exército dos Estados Unidos John Campbell, responsável pela operação no Afeganistão, falou nesta segunda-feira (5) sobre o ataque contra um hospital onde a organização Médicos Sem Fronteiras (MSF) atuava em Kunduz, Afeganistão. O ataque, que ocorreu no último sábado (3), matou pelo menos 22 pessoas, sendo 12 médicos do MSF e 10 pacientes, todos afegãos.
>> O duelo diplomático entre Obama e Putin
Campbell reconheceu que os Estados Unidos fizeram o ataque contra o hospital. Entretanto, ele não pediu desculpas e colocou a culpa nas autoridades afegãs, que segundo ele pediram o ataque. Além disso, culpou o Taleban que, segundo ele, se recusa a deixar o local e "propositalmente escolheu lutar em uma área densamente urbanizada".
O general apresentou poucos novos detalhes sobre o ataque de sábado. "No dia 3 de outubro, as forças afegãs nos avisaram que estavam enfrentando forte ataque de posições inimigas e pediu por suporte aéreo das forças dos Estados Unidos. Um ataque aéreo foi então convocado para eliminar a ameaça do Taleban e vários civis foram acidentalmente atingidos", disse o general.
A organização Médicos Sem Fronteiras classificou o incidente como um "crime de guerra". "Hoje o governo americano admitiu que fez o ataque aéreo que atingiu nosso hospital em Kunduz e matou 22 pessoas", diz a organização, em nota. "A descrição que o governo faz do ataque continua mudando - de dano colateral a trágico acidente, tentando agora passar a responsabilidade para o Afeganistão. Mas a realidade é que foram os EUA que lançaram as bombas. Não há justificativa para ataque tão horrível". O MSF pede uma investigação completa e transparente sobre o incidente.
O ataque ao hospital em Kunduz acontece em um momento delicado para a política externa americana. Os EUA fizeram fortes críticas à decisão da Rússia de bombardear posições de rebeldes e Estado Islâmico na Síria. Ao atingir um hospital no Afeganistão, o governo americano perde ainda mais legitimidade ao tentar impedir os ataques russos na Síria.
Via: epoca

PARTICIPAÇÃO
Os leitores podem colaborar com o conteúdo do UL enviando notícias, fotos e vídeos
(de acontecimentos ou comentários) que sejam relevantes no Brasil e no mundo. Para isso, Envie sua Notícia para uniaodoslivres@hotmail.com
***DEIXE SEU COMENTÁRIO ***

Receba Nosso Conteúdo Exclusivo


Notícias Urgentes, Mensagens de Dobson Lobo e etc Uniaodoslivres

Tecnologia do Blogger.