Publicidade

Últimas Notícias
recent

Rússia acusa Estados Unidos de conspiração para derrubar o presidente Vladimir Putin

0,, 17472334_303,00
Moscou: Conselho de Segurança da Rússia acusou os Estados Unidos de conspirar para derrubar o presidente Vladimir Putin financiando a oposição e incentivar manifestações de massa, menos de uma semana depois de um líder do protesto foi assassinado perto do Kremlin.
Os EUA estão financiando grupos políticos russos, sob o pretexto de promover a sociedade civil, assim como nas "revoluções coloridas" na ex-União Soviética e do mundo árabe, chefe do conselho Nikolai Patrushev, disse nesta quarta-feira. Ao mesmo tempo, os EUA estão usando as sanções impostas sobre o conflito na Ucrânia como um "pretexto" para infligir dor econômico e atiçar o descontentamento, disse ele.
Mais de 50.000 pessoas apareceram no centro de Moscou no domingo, para lamentar a morte de Boris Nemtsov, um ex-vice-premier Putin virou adversário que foi morto a tiros na sexta-feira em uma das áreas mais fortemente vigiado da capital. Esse foi o maior comício Rússia tem visto desde 2011-12, quando Putin se preparava para retornar à presidência para um terceiro mandato.
"É claro que a Casa Branca tem contado com uma acentuada deterioração do nível de vida, protestos em massa dos russos", disse Patrushev. Rússia pode suportar a pressão, porém, graças à sua capacidade de resistência e "décadas de experiência no combate revoluções coloridas", disse ele.
A revolta apoiado pela Rússia na Ucrânia levou ao pior impasse entre o Kremlin e os EUA e seus aliados europeus desde o fim da Guerra Fria. A luta já custou pelo menos 6.000 vidas, de acordo com as Nações Unidas. Putin acusou repetidamente os EUA por incitar os protestos em Kiev no ano passado que derrubaram seu aliado, Viktor Yanukovych.
A combinação de sanções dos EUA e da Europa sobre a luta que se seguiu após a queda de Yanukovych e uma queda dos preços do petróleo está a empurrar a economia em recessão pela primeira vez em seis anos. Os EUA esta semana prolongado por um ano as sanções específicas que impôs março sobre a anexação da Rússia de Crimea da Ucrânia. A UE prolongou medidas semelhantes em seis meses, e as sanções mais abrangentes sobre os setores de energia e bancário da sua renovação, em julho.
O presidente Barack Obama pediu a Rússia para garantir que os responsáveis ​​pelo "assassinato vicioso" de Nemtsov sejam levados à justiça, dizendo que ele admirava "dedicação corajosa" do político para lutar contra a corrupção.
Enquanto Putin condenou o assassinato "descarado" e prometeu encontrar os culpados, a figura principal oposição da Rússia, Alexey Navalny, acusou a liderança política do país, incluindo o presidente, de ordenar a morte. Nemtsov tinha sido planejando publicar detalhes sobre o papel da Rússia no conflito na Ucrânia.
Um analista político proeminente com laços com o Kremlin, Sergei Markov, serviço secreto culpou da Ucrânia e da Agência Central de Inteligência dos Estados Unidos para o crime, dizendo em sua página no Facebook que o objetivo era provocar um levante popular.
Os investigadores dizem que estão examinando vários motivos possíveis para o assassinato, incluindo o que foi uma "provocação", projetado para desestabilizar o país, transformando Nemtsov em um "bode expiatório". Eles também disse que extremistas islâmicos tenham realizado a morte como punição para o apoio de Nemtsov para a revista francesa Charlie Hebdo depois que militantes assassinados cinco de seus cartunistas mais de caricaturas de Maomé.
A Rússia tem mantido por muito tempo que os EUA e seus aliados estavam por trás das revoltas de 2003 e 2004 na Geórgia e Ucrânia que trouxeram para os governos de energia que procuram se libertar das garras de seu vizinho.
Desde os protestos em Moscou, em 2011-12, a maior do governo de 15 anos de Putin, o governo reprimiu a organizações não-governamentais, exigindo aqueles que conseguir dinheiro do exterior para declarar-se "agentes estrangeiros".
Golos, um grupo voto-monitoramento que recebeu financiamento norte-americano, foi forçado a fechar por um tempo e agora está dependente do apoio do governo russo. Outro grupo que foi apoiada por os EUA, a organização de direitos humanos Memorial, até agora tem resistido aos esforços do governo para encerrá-lo.
"O presidente Putin interpreta uma grande parte do que os Estados Unidos tem vindo a fazer e tem tentado fazer", o secretário de Estado, John Kerry, disse em Genebra na segunda-feira."Nós não estamos envolvidos em várias revoluções coloridas, como ele afirma."
Se a Rússia e pró-russos rebeldes implementar plenamente um acordo de paz Ucrânia atingiu no mês passado, os EUA vão "rolar para trás sanções significativas", Will Stevens, porta-voz da embaixada dos Estados Unidos em Moscou, disse por e-mail. O objetivo das medidas punitivas não é para forçar uma mudança no governo russo, mas para pressionar por uma mudança nas suas políticas, disse ele.
Patrushev, Putin como um ex-KGB funcionário e ex-chefe do Serviço de Segurança Federal, disse que os EUA também está trabalhando para minar os governos no Oriente Médio, nomeadamente através da promoção do extremismo e do apoio a grupos militantes.
Enquanto os EUA está liderando uma coalizão internacional para lutar contra o Estado Islâmico no Iraque e na Síria, parece estar a abrandar os seus esforços para destruir o grupo terrorista para evitar reforçar maior aliado da Rússia na região, o presidente sírio, Bashar al-Assad, disse Patrushev.
"Nossos parceiros trans-atlântica tem um objetivo claro para dividir o mundo muçulmano e para enfraquecer a Rússia ea China, ao mesmo tempo", disse Patrushev.

Via: smh / trunews
PARTICIPAÇÃO
Os leitores podem colaborar com o conteúdo do UL enviando notícias, fotos e vídeos
(de acontecimentos ou comentários) que sejam relevantes no Brasil e no mundo. Para isso, Envie sua Notícia para uniaodoslivres@hotmail.com
***DEIXE SEU COMENTÁRIO ***

Receba Nosso Conteúdo Exclusivo


Notícias Urgentes, Mensagens de Dobson Lobo e etc Uniaodoslivres

Tecnologia do Blogger.