Publicidade

Últimas Notícias
recent

Como o ebola mudou o mundo?

(Reuters)
Surto de ebola matou mais de 10 mil pessoas principalmente na África Ocidental, mas número de novos casos da doença vem diminuindo
Um ano atrás, a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou oficialmente que a Guiné vivia uma epidemia de ebola.
A doença já havia tirado a vida de dezenas de pessoas e se espalhava para os países vizinhos. Nos 12 meses seguintes, o vírus mataria mais de 10 mil pessoas não só na Guiné, mas na Libéria e também em Serra Leoa.
O número de mortos agora está caindo ─ mas ainda está longe do zero.
Seja como for, a ameaça viral deixou sua marca permanente no mundo. Ela teve impacto profundo nos hábitos sociais da África Ocidental e na forma como autoridades de saúde lidam com epidemias.

'Intocáveis'

O ebola se baseia na intimidade da interação social para assegurar sua contínua sobrevivência ─ o vírus é transmitido por meio do contato com fluidos corporais em indivíduos infectados.
Isso significa que as pessoas que cuidam dos doentes são os mais vulneráveis à doença.
O mais simples toque humano ─ um aperto de mãos ou um abraço ─ foi imediatamente desencorajado nos três países afetados. A tradicional saudação de estalar de dedos da Libéria acabou banida.
E o modo de dizer o último adeus também. As cerimônias de enterro foram rescritas e práticas comuns em funerais ─ como lavar os corpos dos mortos ─ banidas.
Agora, resta a uma família esperar a chegada de uma equipe de agentes vestidos em trajes que se assemelham a astronautas para levar os corpos embora da maneira mais digna possível sob essas circunstâncias.
No ápice do surto, comunidades inteiras tiveram de se submeter a quarentenas. E em algumas em Serra Leoa, até o Natal foi cancelado.
O impacto a longo prazo da doença para as tradições sociais ainda não é conhecido. Psicólogos estão preocupados que as suspeitas de que outras pessoas carreguem consigo o vírus mortal ainda demorem para desaparecer.
Em contrapartida, se os temores com a doença desaparecerem muito rápido, isso colocaria em risco os esforços para limitar os casos restantes de infectados.

Conhecimento perdido

Na medida em que a crise se aprofundou, Serra Leoa, Libéria e Guiné fecharam suas escolas. Uma geração inteira de crianças terá perdido seis meses de aulas. Um levantamento feito pela ONG Global Business Coalition for Education estima que até 5 milhões de estudantes tenham ficado em casa durante o período.
E muitos provavelmente jamais retornarão às escolas, destaca a pesquisa.
O risco de as crianças serem forçadas a trabalhar também aumenta à medida que as famílias contam com os membros que sobreviveram à doença letal para colocar dinheiro e comida na mesa.

Resposta lenta

(AP)
Diretora-geral da OMS, Margaret Chan admitiu resposta lenta no combate ao ebola
Cientistas acreditam que a primeira pessoa a sucumbir à doença nesse surto tinha dois anos de idade. O episódio ocorreu em uma parte remota da Guiné. Mas levou três meses para a OMS declarar oficialmente o surto e cinco outros para anunciar que se tratava de uma emergência de saúde pública.
Muitos acreditam que o mundo reagiu tarde demais à doença.
A OMS admite que foi muito lenta e concorda que a organização precisa mudar.
Margaret Chan, diretora-geral da OMS, afirmou durante uma rara reunião de emergência em janeiro: "O mundo, incluindo a OMS, foi muito lento em observar o que estava se desenrolando aos nossos olhos".
Ideias sobre como prevenir que algo parecido possa acontecer de novo incluem a criação de um fundo dedicado a emergências e a criação de uma força de trabalho de rápida resposta.
Mas os detalhes dessa iniciativa ainda têm de ser discutidos. Haverá médicos de prontidão caso um novo surto ocorra? Haverá equipes de socorro próximas aos focos potenciais da doença para combatê-los e evitar, assim, atrasos desnecessários?

Inovação

Vacinas e drogas frequentemente levam mais de uma década para serem desenvolvidas. Mas uma decisão sem precedentes da OMS para apoiar o uso de drogas até então pouco testadas, acompanhada de uma colaboração única entre cientistas, organizações de saúde pública e laboratórios farmacêuticos, resultaram em testes sendo feitos em uma questão de meses.
As vacinas já estão sendo aplicadas de forma experimental nos países mais afetados. Nunca antes o mundo viu remédios relativamente pouco testados sendo usados nessa escala.
Enquanto nenhuma dessas drogas havia se provado efetiva em grandes populações, o processo foi acelerado a uma inédita velocidade.
Isso levanta questionamentos sobre se remédios para outras doenças poderiam ser fabricados de forma mais rápida, especialmente se acadêmicos, políticos e cientistas fossem encorajados a trabalhar juntos de novo.
E a inovação não para nos tratamentos. Um grupo de voluntários da área tecnológica recentemente se uniu ao Google e à ONG Médicos Sem Fronteiras (MSF) para desenvolver um tablet à prova de ebola.
O dispositivo pode ser mergulhado em cloro para matar o vírus, resiste a tempestades e não requer um fornecimento contínuo de eletricidade.
Há esperança de que esses aparelhos possam ser usados em outras situações críticas – desde surtos de cólera a campos de refugiados.

Novo risco?

(Getty)
Vacinas até então pouco testadas foram usadas para tratar epidemia de ebola
Mas muitos concordam que não foram as drogas ou inovações extravagantes que puxaram os números de mortos para baixo.
Foram cruciais no combate ao ebola os voluntários locais indo de casa em casa para explicar o vírus ou mesmo enterrando corpos incansavelmente da forma mais segura possível.
As comunidades aceitando as realidades do vírus e mudando seu dia a dia, e famílias permitindo que seus entes queridos fossem isolados para serem tratados também desempenharam um papel importante na redução da mortalidade.
Além disso, sistemas de saúde pública falhos foram aperfeiçoados ─ antes de o surto começar, a Libéria só tinha 60 médicos para tratar toda a sua população. Mas um influxo de voluntários locais e equipes internacionais ajudaram a alcançar o objetivo.
Apesar de todos os esforços, alguns cientistas dizem que há uma possibilidade de que o vírus nunca desapareça por completo. Nos casos em que isso ocorrer, ele pode se tornar endêmico, ou seja, parte do conjunto de doenças presentes em países, mas a um nível baixo.
E outros surtos também são prováveis.
Mas há esperança de que o mundo esteja melhor preparado e tenha aprendido a prestar a devida atenção, caso o ebola, ou qualquer outra doença devastadora, surja novamente.

Via: BBC
PARTICIPAÇÃO
Os leitores podem colaborar com o conteúdo do UL enviando notícias, fotos e vídeos
(de acontecimentos ou comentários) que sejam relevantes no Brasil e no mundo. Para isso, Envie sua Notícia para uniaodoslivres@hotmail.com
***DEIXE SEU COMENTÁRIO ***

Receba Nosso Conteúdo Exclusivo


Notícias Urgentes, Mensagens de Dobson Lobo e etc Uniaodoslivres

Tecnologia do Blogger.