Luta contLuta contra Estado Islâmico vai durar anos, dizem EUAra Estado Islâmico vai durar anos, dizem EUA

Share:

Em entrevista exclusiva à BBC, porta-voz do Pentágono afirma que grupo tem boa capacidade de se adaptar e reagir a ataques.


 Representante do Pentágono falou com exclusividade à BBC  (Foto: BBC)Representante do Pentágono falou com exclusividade à BBC (Foto: BBC)
Os ataques aéreos liderados pelos EUA interromperam os avanços do autodenominado Estado Islâmico (EI), mas a luta contra o grupo extremista ainda vai levar anos, disse à BBC o porta-voz do Pentágono.
"Acreditamos que estamos falando de anos", disse o almirante John Kirby dias após os EUA e países aliados iniciarem ataques aéreos contra o EI na Síria.
A afirmação foi feita no momento em que ativistas relataram novos ataques ao redor da cidade de Kobane, perto da fronteira da Síria com a Turquia.
Kobane foi cercada por militantes do Estado Islâmico durante vários dias, forçando cerca de 130 mil curdos sírios a fugir para a Turquia.
O Estado Islâmico tomou grandes áreas da Síria e do Iraque. Desde agosto, os EUA lançaram cerca de 200 ataques aéreos no Iraque.
Na segunda-feira, os ataques estenderam a campanha para a Síria pela primeira vez. Ativistas dizem que pelo menos 70 militantes do Estado Islâmico, 50 combatentes ligados à Al-Qaeda e oito civis foram mortos nos ataques, que atingiram vários alvos no norte e no leste do país.
Leia também: EUA divulgam imagens de ação contra 'Estado Islâmico'
Leia também: Os riscos dos EUA e aliados na luta contra o Estado Islâmico
'Êxodo' de Raqqa
Em Washington, o almirante John Kirby disse que os ataques aéreos na Síria tinham diminuído com sucesso o poder do Estado Islâmico. "Achamos que atingimos o alvo", disse ele.
No entanto, ele afirmou que o grupo é competente em se adaptar e reagir a mudanças, e que representa uma "grave ameaça" que não seria eliminada "dentro de dias ou meses."
O Pentágono disse que aviões bombardeiros, drones e mísseis de cruzeiro Tomahawk foram usados nos ataques. As ações atingiram a sede do Estado Islâmico, em Raqqa, no nordeste da Síria, bem como áreas de treino, veículos e instalações de armazenamento em várias outras áreas.
O presidente americano, Barack Obama, disse que militantes ligados à Al-Qaeda conhecidos como o Grupo de Khorasan também foram alvo. Os EUA acusam o grupo de planejar "ataques iminentes" contra o Ocidente a partir de um reduto a oeste de Aleppo.
A ofensiva foi organizada em três ondas distintas, com jatos de combate norte-americanos usados na primeira e nações árabes participando na segunda e na terceira, disseram autoridades militares dos EUA.
A porta-voz do Departamento de Estado americano, Jan Psaki, disse que os EUA haviam alertado a Síria com antecedência para "não se envolver com aviões dos EUA". Mas ela acrescentou que Washington não pediu permissão ou informou com antecedência sobre a programação dos ataques.
Moradores de Raqqa disseram aos jornalistas que os ataques aéreos tiveram um grande impacto sobre os militantes.
Um ativista na cidade, Abu Yusef, disse à agência de notícias AFP que os militantes estão agora "focados em tentar salvar suas próprias vidas".
Abo Mohammed, um morador, disse à Reuters que o principal prédio administrativo da cidade tinha sido atingido por quatro foguetes e que centenas de combatentes que estavam controlando o tráfego e a segurança na rua haviam ido embora.
"Há um êxodo de Raqqa neste momento", disse ele, relatando a fuga não só de militantes, mas também de moradores da cidade.
Distorcendo o Islã
Na terça-feira, Obama elogiou o suporte das nações árabes aos ataques aéreos: "Isto não é uma luta dos EUA sozinhos."
Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos, Jordânia, Bahrein e Catar apoiaram ou participaram dos ataques na Síria, disse o presidente americano.
O secretário de Estado americano, John Kerry, disse a jornalistas que mais de 50 países concordaram em unir esforços para combater o Estado Islâmico.
"Nós não vamos permitir que esses terroristas encontrem um refúgio seguro em outro lugar", afirmou.
Em Nova York, o chanceler saudita, príncipe Saud al-Faisal, disse: "Hoje estamos diante de uma situação muito perigosa, já que o terrorismo evoluiu de células para exércitos".
Ele disse que a ameaça havia engolido Líbia, Líbano, Síria, Iraque e Iêmen e "distorcido a imagem do Islã e dos muçulmanos."
Na segunda-feira, o primeiro-ministro britânico, David Cameron, defendeu uma coalizão internacional para "destruir" o Estado Islâmico, indicando que se trata de uma luta inevitável.
A BBC apurou que o Parlamento do Reino Unido será chamado na sexta-feira a discutir o possível papel da Grã-Bretanha em ataques aéreos contra alvos de Estado Islâmico.
O presidente sírio, Bashar al-Assad, citado pela imprensa estatal, disse que apoiou todos os esforços internacionais de luta contra o "terrorismo" na Síria.
No entanto, o presidente iraniano, Hassan Rouhani, um aliado do governo sírio, disse que a ação militar na Síria não tinha "status legal" sem um mandato da ONU ou a aprovação do governo sírio.

PARTICIPAÇÃO
Os leitores podem colaborar com o conteúdo do UL enviando notícias, fotos e vídeos
(de acontecimentos ou comentários) que sejam relevantes no Brasil e no mundo. Para isso, Envie sua Notícia para uniaodoslivres@hotmail.com
***DEIXE SEU COMENTÁRIO ***

Via: G1

Nenhum comentário