Publicidade

Últimas Notícias
recent

Washington não precisa de uma Ucrânia sem confrontos

Ucrânia, EUA, política, guerra

Segundo anunciou um representante do Departamento de Defesa dos Estados Unidos, um grupo especial do Pentágono chegou a Kiev ontem, 5 de agosto,  “para ajudar na investigação” das circunstâncias do desastre do Boeing 777 malaio. Quando perguntaram ao representante oficial do Departamento de Defesa, vice-almirante John Kirby o que irão exatamente fazer os peritos do grupo, ele disse ele que eles não irão ao local do acidente, mas irão aconselhar desde Kiev investigadores da Holanda, Austrália e Malásia.

Há que ter em conta que nunca foi da competência do Pentágono investigar acidentes e colisões de aviões de passageiros. Nos Estados Unidos isso é sempre feito exclusivamente pela Gerência Nacional de Segurança nos Transportes (National Transportation Safety Board – NTSB) e a Administração Federal de Aviação. O Pentágono é chamado apenas em caso de desastres de aviões militares. A propósito, a NTSB já enviou os seus próprios peritos à Ucrânia cerca de três dias após a tragédia em 17 de julho.
A delegação, segundo o Pentágono, é composta por especialistas em “operações especiais, logística, planejamento de operações aéreas”. Parece não ser bem o que é necessário para a investigação.
A chave do enigma está numa curta frase do comunicado de imprensa do Pentágono. Depois de “ajudar a investigação” da catástrofe do voo MH17, o grupo começará logo a treinar o Exército e a Guarda Nacional ucranianos no ocidente da Ucrânia. Em outras palavras, trata-se da ampliação da participação de conselheiros militares norte-americanos na reconversão profissional, reequipamento técnico e rearmamento das Forças Armadas e das forças especiais das autoridades de Kiev.
Peritos russos dizem que é óbvio que estão sendo aplicados à Ucrânia os padrões do Kosovo ou até mesmo do Vietnã. A presença militar norte-americana no Vietnã também começou com algumas dúzias de conselheiros militares enviados para o sul em 1954. E os albaneses do Kosovo estão sendo ensinados e “aconselhados” pelos norte-americanos até hoje.
Infelizmente, em relação à Ucrânia, e isso é cada dia mais evidente, está se repetindo a situação pela qual já passaram os Bálcãs com suas guerras civis e a dissolução da Iugoslávia, acredita o professor da Universidade Estatal de Moscou Andrei Manoilo. Só que desta vez os Estados Unidos estão agindo ainda mais direta e cinicamente. Em Kiev já todos sabem perfeitamente que a CIA ocupa um andar inteiro do edifício do Serviço de Segurança da Ucrânia. Aproximadamente o mesmo está sendo preparado no Ministério da Defesa.
Do ponto de vista geopolítico, a balcanização da Ucrânia é muito lucrativa para Washington, diz Andrei Manoilo. A transformação da Ucrânia numa grande e constante fonte de tensão sob o controle dos EUA é necessária como uma ferramenta de enfraquecimento da influência da Rússia. Qualquer conflito nas fronteiras da Rússia imediatamente se torna uma séria ameaça à sua segurança. “A exportação de caos controlado da Ucrânia para a Rússia” é um dos objetivos de toda a “operação ucraniana” concebida por Washington, acredita o especialista:
“Mergulhando a Ucrânia no chamado “caos controlado” usando lá as tecnologias de “revoluções coloridas”, os norte-americanos estão criando um conflito que eles sabem muito bem controlar. Este conflito os norte-americanos estão hoje usando como um instrumento de influência política tanto sobre seus adversários como sobre seus aliados. A posição geopolítica da Ucrânia neste respeito parece aos norte-americanos ser extremamente lucrativa. Ora, por causa disso, os norte-americanos não vão, em nenhumas circunstâncias, contribuir para nenhum plano de paz na Ucrânia. Sem um conflito, que pode ser controlado, a Ucrânia será simplesmente desinteressante para Washington. Eles irão lançar constantemente novo combustível nas chamas da guerra civil”.
A organização de um regime de “caos controlado” e a provocação de uma guerra civil na Ucrânia são um reflexo do que os Estados Unidos fizeram na Síria e no Iraque, nota o perito do Instituto de Economia Mundial e Relações Internacionais, Stanislav Ivanov. E a Síria e o Iraque não são nada mais que uma continuação da guerra organizada artificialmente contra a Iugoslávia na década de 1990.
Na Síria e no Iraque, os EUA apoiaram as forças islamistas mais radicais. Agora essas forças estão fora de controle e ameaçam afogar em sangue toda a região. Na Ucrânia, Washington organizou um golpe de estado realizado pelas forças nacionalistas e neonazis mais violentas, lembra Stanislav Ivanov:
“Temo que na Ucrânia tudo ainda esteja para vir. Hoje não há previsões otimistas. Mesmo que as autoridades reprimam o movimento no leste, nenhuma paz, tranquilidade e bem-estar virão ao país. É preciso restaurar tudo o que foi destruído, dialogar com as regiões do leste. E como poderão fazer isso se lá foi derramado tanto sangue? Milhares de mortos e feridos e já mais de um milhão de refugiados? O “caos controlado” nas fronteiras da Rússia calha bastante bem a Washington”.
Mesmo na União Europeia não há dúvidas a respeito de quem provocou a crise na Ucrânia, porque o “estilo pessoal” é difícil de esconder, acredita o diretor do Centro Europeu de Análise Geopolítica Mateusz Piskorski. Além disso, os autores norte-americanos de “revoluções coloridas” ou do “caos controlado” não são particularmente inventivos. Na Ucrânia eles já rodaram o mesmo guião duas vezes (já houve dois Maidan) e se necessário, irão lançá-lo uma terceira vez, diz Piskorski.
Segundo peritos militares russos, Kiev hoje já está totalmente em modo de “controle externo” dos EUA. Todas as decisões das autoridades são primeiro confirmadas com a embaixada norte-americana. Chega mesmo a acontecer que a posição do governo de Kiev é primeiro expressada pelo Departamento de Estado dos EUA e só depois pelo ministro das Relações Estrangeiras da Ucrânia.
Tecnologia do Blogger.