O Estado Laico e o Reino Evangélico Malafariano. A Manipulação que não tem fim.

Share:
O Estado Laico e o Reino Evangélico Malafariano. A Manipulação que não tem fim.
O estudo do Direito proporciona um embate entre suas convicções pessoais e os institutos protegidos pela lei. Acho que o ensino nas escolas deveria ter pelo menos matéria sobre constituição e os direitos fundamentais. Tenho certeza que as discussões seriam muito mais racionais e fundamentadas.
É simples. Estado é uma coisa, religião é outra. O Estado deve garantir o direito e todos! Nós, algumas vezes, confundimos as coisas. Quem paga imposto como vc deve ter os mesmos direitos que vc, sem essa história de “a favor”. A verdade é que a religião não deve impedir qualquer pessoa a ter acesso ao que eu e você temos. Ninguém está tirando o seu e o meu direito de expressar nossa crença. As pessoas não pensam pelo outro lado. Nós queremos um país laico lá nos países do oriente médio, certo? E por que? Porque acreditamos diferente deles e queremos que as pessoas tenham liberdade de viver a vida como julgam certo e tenham direito e expressar sua fé, seja ela qual for. Então lá faz sentido religião e política serem coisas separadas, mas aqui não? Entenda, não estou defendendo ou criticando qualquer religião. Sou cristã e creio no que vivo. Mas entendo que não tenho direito de impor isso aos outros, nem de, com base na minha fé, impedir que alguém tenha acesso a direitos que eu tenho. Não entendo uma coisa: o que o casamento de alguém muda na sua vida?
Aí vem esse Silas Malafaia manipulador,  usa a Bíblia pra arrancar dinheiro dos outros, reduz o Evangelho a promessas de “prosperidade”, abre a boca e os crentes aplaudem. Lamentável esse cara…
Deus não veio se impor pelas leis. O evangelho é tão maior que esse tipo de discussão. Quanta energia gasta nessas coisas… e a gente continua sentado um banco fazendo discurso enquanto o mundo se acaba em guerra. Me parece incorreto, mas é só minha opinião. Respeito opiniões contrárias, então que o respeito seja mútuo.
Por Amanda Silva (via Facebook).